terça-feira, setembro 26, 2006

Mutirão pela colheita de assinaturas!

Neste domingo de eleições (01/10/06) estaremos todxs colhendo assinaturas para o projeto de lei

de iniciativa popular pelo passe livre estudantil. Aproveitando a ocasião em que as pessoas estarão com seus títulos de eleitores na mão, com seus respectivos números, zonas e seção.

O projeto,para ser validado, precisa de cerca de 17 mil assinaturas. Já temos 5 mil, colhidas durante o referendo popular do desarmamento. Tínhamos então trinta pessoas fazendo a correria.

Venha ajudar a colheita de assinaturas! Compareça quinta feira às 19 hrs no CEBI (CONIC, edifício Venâncio II, sala 513), onde separaremos os grupos por zonas e planejaremos a colheita.

Ou faça você mesmo! Baixe o arquivo clicando aqui, imprima e xeroque o projeto de lei e colha assinaturas na sua zona ou onde puder.

Esperamos a presença do máximo de pessoas que queiram colaborar nessa fase da luta. Ajude você também!

4 comentários:

el franco atirador disse...

por favor, peço que alterem o endereço do
blog do MPL - Aracaju.
O novo é mplaju.blogspot.com

agradecido

marcquinhos

Anônimo disse...

Colega, estudantes deveriam lutar pelo meio passe. Passe livre é uma incoerência e falta de vergonha na cara com os trabalhadores assalariados de baixa renda.

Testemunhei muito playboyzinho participando desses movimentos só pra ver "o bicho pegar". Enquanto isso o João da Silva, pedreiro, que ganha 1 SM e sustenta 3, 4 filhos só usufrui de um auxílio-transporte no qual parte é deduzida do próprio sálário.

O movimento de vocês em algumas cidades só tem reunido punks e arruaceiros que danificam o bem público e privado.

As coisas não funcionam sem uma contrapartida, ainda que mínima, do usuário. As pessoas não dão valor para as coisas "gratuitas".

moska disse...

colega anonimo,

seu comentário demonstra o mínimo de conhecimento sobre o passe livre, e sobre o Movimento Passe Livre. no mínimo, você poderia ter se dado o trabalho de dar uma pesquisada superficial que fosse sobre nossas convicções, e acredito que não teria escrito tanta bobagem.

a resposta pra sua principal indagação (quem paga o passe livre) é respondida no final deste comentário.

quanto aos "playboyzinhos" no movimento, bem, eu detesto playboyzinhos eu mesmo. mas isso depende muito de quem vc considera playboyzinho. é aquele que é um otario individualista, que adota no maximo uma postura assistencialista, para nao ficar com a consciencia pesada? é aquele que mora no lago norte mas se insere em movimentos sociais e tem algum conhecimento de causa? ou é aquele que simplesmente está na parte de cima da luta de classes, cuja prova pode ser o acesso a internet (e na qual vc, anonimo, se classifica)?

deixar ou nao um playboyzinho entrar e participar do movimento nao cabe a ninguem. acreditamos que a mudanca da sociedade deva ser operada por todxs, conjuntamente, sem diferenca de classes, apenas diferencas de mentalidades (por que nesse estágio de consonancia a classe ja nao mais existe). e quem sabe o movimento nao pode mudar a consciencia de um playboyzinho(quem sabe ja nao mudou? respondo: mudou!)? a inserção das pessoas pobres e a descentralização do movimento dos centros urbanos tem sido um desafio que o movimento vem enfrentando, e é o que todxs nós mais almejamos.

quanto axs punks, bem, acho que vc nao conhece nada da cultura punk. nem sabe distinguir qual valor algum "bem" - materializado em alguns tijolos, borrachas, e vidros - tem para a sociedade que sua destruição não leve a reflexão da propria sociedade sobre a utilidade deste "bem".
"a paixão por destruir é uma paixão criativa!"

Incoerência é lutar por algo que já existe! (o meio passe)
abracos destrutivos
...:::moska:::...

"1. O passe-livre estudantil não vai acarretar o aumento da tarifa para os usuários?

Não. A tarifa deverá inclusive ser reduzida cerca de 10%. Hoje em dia, o meio-passe estudantil é incorporado ao valor da tarifa e portanto pago pelos usuários do transporte coletivo. O passe-livre, por sua vez, será pago através de impostos e tributações, o meio mais justo uma vez que através dos impostos paga mais quem tem mais.


*3) Quem paga o passe livre? O passe livre não vai aumentar a passagem dos
outros usuários?*

Ao contrário do que dizem os empresários do transporte, o passe livre não
vai aumentar a passagem dos outros usuários. Hoje, todas as gratuidades que
os idosos, deficientes físicos, carteiros, policiais e tantos outros recebem
como *direito *(e não como "benefício") são pagas pelos outros usuários.
Isso é errado, pois, se são gratuidades, devem ser descontadas dos lucros
dos empresários. De qualquer forma, o MPL busca uma outra concepção de
transporte coletivo. Na nossa visão, o sistema de transporte, hoje, não é
publico. Ele é privado, porque existem empresas que exploram o transporte e
usam-no para gerar lucro. Queremos, então, um transporte fora da iniciativa
privada. O sistema deve ser municipalizado, recebendo verbas específicas dos
governos municipal, estadual e federal.

*5) Não vai faltar dinheiro para a saúde e para a educação se o passe livre
for implantado?*

**Não. Com a cobrança de impostos sobre a parte mais rica da população,
junto ao direcionamento de verbas específicas dos governos municipal,
estadual e federal, e, futuramente, com a municipalização do sistema de
transportes, será possível bancar o passe livre: se tivermos uma empresa
municipal de transporte, ela não precisa de lucro. Só isso já causaria um
impacto enorme no preço final da tarifa, manteria um controle maior sobre o
transporte por parte da prefeitura e da população, além de tornar viável o
passe livre.

2. A Prefeitura não terá que tirar dinheiro da educação e da saúde para financiar o passe-livre estudantil?

Financiar o passe-livre é financiar a educação, e beneficiar a grande maioria da população (aumentando a renda das famílias que possuem estudantes que usam o transporte coletivo, ou seja, a maioria das famílias). É uma forma de manter os jovens na escola, e dar oportunidade ao adulto de voltar a estudar"

Rubens Costa disse...

Companheiro:
Você esta olhando a arvore e esquecendo da floresta como diz o Sergio. Qual é a empresa que daria gratuitamente algo e descontaria o prejuizo no seu proprio lucro, imagine isto em uma padaria onde o proprietario paria pães a uma parcela da população e com parte de seu lucro, e quando fosse tentar melhorar o estabelecimento como faria se seu lucro em boa parte é sacrificado. O tranporte é publico sim e é esplorado por empresas privadas por que as publicas não o faz. Não é por uma conseção que se pode obrigar a aceitar o errado. Sempre que ha uma gratuidade ela é paga com a passagem dos demais, meus filhos são usuarios e eu sei o que é pagar pelos outros. O certo é que deveria ter um transporte publico para os alunos e demais gratuidades, assim não entrariam nas contas das empresas e seria melhor para os usuários do dia a dia. O que pareçe é que pra você pimenta no olho do outro é colirio. Nosso pais é grande veja bem o que quer pois isto pode prejudicar a outros.